A Culpa É Das Estrelas

2 Comments
Bem vindos à coluna Dica de Livros. Nessa coluna, o meu objetivo não é levar o leitor a comprar o livro porque eu gostei, ou porque está na moda do universo literário. Às vezes me perguntam, e até eu mesma me pergunto, se eu não posso ler um livro e passar adiante em ficar assimilando a história desse ou daquele livro, afinal trata-se de uma obra de ficção, em sua maioria das vezes, e elas não tem nenhuma correlação com a vida real. Mas eu fui reler e rever alguns dos meus muitos livros, e vi que não, eu não consigo acabar de ler e ir em frente sem antes fazer uma reflexão do que o livro me trouxe de bom ou de ruim.
Então, é com esse intuito que os recebo nesse espaço, para que juntos possamos conversar sobre o meus, e quem sabe o de vocês também, amados livros.
O primeiro livro que escolhi conversa sobre eles com vocês é A Culpa É Das Estrelas.





SINOPSE:  A culpa é das estrelas narra o romance de dois adolescentes que se conhecem (e se apaixonam) em um Grupo de Apoio para Crianças com Câncer: Hazel, uma jovem de dezesseis anos que sobrevive graças a uma droga revolucionária que detém a metástase em seus pulmões, e Augustus Waters, de dezessete, ex-jogador de basquete que perdeu a perna para o osteosarcoma. Como Hazel, Gus é inteligente, tem ótimo senso de humor e gosta de brincar com os clichês do mundo do câncer - a principal arma dos dois para enfrentar a doença que lentamente drena a vida das pessoas.Inspirador, corajoso, irreverente e brutal, A culpa é das estrelas é a obra mais ambiciosa e emocionante de John Green, sobre a alegria e a tragédia que é viver e amar.



Mas, de repente, você já leu algo sobre o livro que mostra o lado considerado triste, pela maioria. Temos um casal na casa dos seus 18 anos ambos estão doente, e o final é triste. Ohhhhhhhhhhhhhh, mas o final de todos não é morte? Morre novo e morre velho, morre recém nascido, jovem na flor da idade, adultos que estão indo para um passeio, velhinhos doentes. Mas depois que se lê ACEDE e você se depara com dois jovens, mesmo que fictícios, com uma sentença de morte e que decidem viver enquanto tem vida não é algo a se pensar em como estamos vivendo nossa vida, se temos saúde, o que fazemos dela e com ela?
O livro trata basicamente da relação de Augustus Watter e Hazel Grace, ambos jovens, com câncer e ela, principalmente, com nenhuma expectativa de uma sobre vida. Eles se conhecem num grupo de apoio a pacientes com câncer, seja essa câncer remissivo, curado ou em tratamento, e Gus se encanta por Hazel, tenta uma amizade que vira um namoro. Sim, amoras, temos um lindo casal com uma sentença de morte pré-definida, mas que se arriscam a amar. A principio Hazel tem tudo contra, sua saúde debilitada, Gus não tem mais o câncer, e como ela mesmo se intitula, ela é uma granada, e pode explodir a qualquer momento e ferir todos em sua volta. Mas como diz o Gus, o fato dela não o querer machucar não faz o sentimento de ele ser menor, e que seria ter o coração partido por ela. Tem maneira mais otimista de se ver a vida?

Após ler todo o livro eu cheguei a seguinte conclusão, que a mim cabe: logo que somos concebidos, a morte é algo certo e inevitável. Nossas mães poderiam ter sofrido um aborto e nem aqui estaríamos; sou de uma geração que cinto de segurança não existia e os berços eram pintados com tinta à base de chumbo, e ainda tem muita gente da minha geração viva, perdi amigos ao longo do caminho, sofri por conta disso? Claro... Mas é m fato certo na vida. O que vamos fazer nesse percurso chamado VIDA é o que vai fazer ser ela diferente ou não, cheia de histórias para contar, ou simplesmente uma pessoa que passou pela vida.

Sou casada há 18 anos com um homem que se tornou a melhor coisa que poderia acontecer comigo, tivemos tudo para que não desse certo no relacionamento, desde o começo, e quando olho para trás vejo que cada momento da minha vida ao lado dele, mais que valeu a pena, fez de mim que sou hoje, e o que quero ser amanhã.
Não importa os percalços que a vida tem ou nos coloca o que importa é como vamos enfrentá-los. Se você deseja ler o livro, mas tem ‘medo’ porque o livro é triste, ou faz chorar, e tantas outras coisas que já ouviu sobre ele, sugiro que de uma chance para que possa lê-lo e ver o outro lado, o lado de lição de vida que dois adolescente nos traz.
Espero que tenham gostado dessa nossa primeira conversa. Se quiser, deixe seu comentário e terei imenso prazer em respondê-la e conversar com você.






Namaste!





You may also like

2 comentários:

  1. Apesar de achar a história linda, não curti nadinha o final desta.. mas enfim. São poucas as pessoas que não assistiram/leram ou ouviram falar da A Culpa é das Estrelas. Um filme/livro amorzinho que amolece até os corações mais duros e choramos horrores com ele! Mas opinião é opinião e eu adorei a sua.. mas preciso falar outra coisa também SEU LAY TÁ LINDÃO <3 sério! Amei!

    Mutações Faíscantes da Porto

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Carol Bem vinda a minha nova casa. Eu não chorei nem com o livro e nem com o filme. Vejo a morte como um destino certo nessa nossa viagem chamada vida, e o que vamos fazer até que isso chegue é o que o livro me ajudou a ver...... Que bom que gostou do lay foi feito com muito carinho.....
      bjs

      Excluir