Bate Papo com Simone Marques ( Dicas de Livros)

15 Comments
Olá Amoras!
Todo mundo aqui gosta de ler, certo? Essa blogueira que vos fala, não lê; devora os livros que tem. Se for uma série então, ela não quer ler mais nada, só quer ler os livros da série. E quando acaba me sinto órfã de série.

Quando comecei a me enveredar por esse universo da leitura, eu vivia conversando com meu esposo e comentando com ele o quão brilhante eu achava a mente de um escritor, porque não é fácil criar tantos personagens e com personalidades tão diferentes. Alguns, confesso, que acho que são amigos da vida real, de tão próximo que eles estão da realidade.

Mas alguma vez já pararam para se perguntar como é o processo de criação disso tudo? Como o autor se prepara para nos presentear com tudo que lemos?



Foi num bate papo com a Simone Marques que me veio à ideia de fazer um post assim.

Mas como nasceu Anya, a protagonista da série Sabores do Sangue? Como foi que a autora viu essa série e resolveu colocar no papel. E é isso que ela vai nos contar.

Para quem não sabe a autora também tem outra saga: Paganus. Essa série tem oito livros escritos já.
Gente como assim?!?!?!?! Se pararmos para pensar nessas duas séries são doze livros... E duas personagens totalmente diferentes uma da outra. Anya uma vampira, e Adele uma matriarca de uma linhagem celta.....
Então, vamos ver somo Simone criou isso tudo?
imagem


 ACP: Olá Simone! Estou muito feliz em termos essa conversa.

Simone Marques: Oi, Eykler! Eu também estou e adoro um papo!
E preciso te contar que eu também sou meio louca por séries e que tenho também mais duas séries: Marina e os Tesouros da Tribo de Dana, o primeiro livro Os Deuses do Mar já foi lançado no ano passado e deve ter seis livros. E a série Crônicas do Reino do Portal, com sete livros e dos quais  três foram publicados na internet há três anos e foram retirados aguardando publicação. Além desses tenho minha série de romance romântico histórico, composta por 9 livros, dos quais sete já estão prontos ( o primeiro volume: Paixão no Inverno, estou postando no meu blog de romances românticos) ;) Acho que é isso por enquanto, rsrsrs





ACP: Não é segredo pra ninguém que eu simplesmente me encantei com Anya. Vampiros é um tema que sempre chamou, e sempre vai chamar, a atenção dos leitores. Mas para você, como nasceu Anya?

Simone Marques: Bem Anya e sua história nasceram em um conto chamado Agridoce que postei numa comunidade de contos no Orkut. Os leitores adoraram e me instigaram a estender a história. E eu me senti provocada, então fui em frente.
Eu nunca tinha escrito sobre vampiros e queria que esses seres sensuais e intrigantes estivessem aqui no Brasil, que passassem por coisas parecidas com as que passamos no dia-a-dia, que tivessem um sabor dos vampiros clássicos, mas com algum toque diferente, que parecesse ser uma real possibilidade. Então fui pesquisar e o enredo se desenvolveu.

ACP:: Geralmente quando lemos livros de vampiros, os vampiros novos se transformam depois de serem mordidos. Anya é uma portadora, ou seja, nasceu assim. Como você visualizou esse novo conceito no que diz os vampiros serem formados?

Simone Marques: Então, eu queria algo um pouco diferente e plausível. O conceito de portador de uma doença é algo que vi em algum programa de TV e então eu pensei: por que não?  Sabe-se que existem determinados tipos de doenças que estão presentes no organismo de muitas pessoas e que podem nunca se manifestar ou se manifestar depois de algum trauma ou estresse. Anya é essa portadora que viu sua doença se manifestar e a doença é a necessidade física de consumir sangue.
Resenha aqui. 

ACP: Ivan e Daniel são doadores. Ivan foi doador da mãe de Anya e acabou entrando para a família. Daniel é doador de Anya. Como foi imaginar um doador? No geral os vampiros se alimentam de humanos “normais”, mas na série eles podem até se alimentar de humanos, mas não vão ter a força que o seu doador lhes dá.

Simone Marques: Em Agridoce eu criei o ciclo do despertar que envolve o doador perfeito. O conceito de doador ideal é muito presente na medicina, inclusive em situações de transplantes. No livro, eu quis conjugar o conceito de sangue compatível e de doador ideal, que é aquele que satisfaria totalmente a necessidade de sangue do Portador. São pessoas especiais também, que além de tudo, precisam doar, pois, se não o fizerem seu corpo irá reclamar. Doar é uma necessidade física e psicológica. Então, eu imaginei o que seria um doador ideal, alguém que também tivesse um sabor especial para Anya que era uma estudante de gastronomia, para quem aromas e sabores são muito importantes.

ACP: Tem também outros personagens que não são menos intrigantes que Anya, Ivan e Daniel. Temos Montéquio que é o instrutor de Anya. O pai de Anya que é um protetor, Dante que pode vir a ser um caçador. Eu fico me perguntando como podem caber tantos personagens dentro de uma cabeça só?

Simone Marques: Rsrsrsrs.
Cabem muito mais personagens, pode acreditar. No segundo livro da série, personagens novos irão aparecer e eu faço sempre questão de me dedicar à criação deles tanto quanto à dos protagonistas. Eu fico alegremente surpresa quando personagens secundários ganham o afeto do leitor, às vezes conquistando-os mais do que os protagonistas. Para mim, todos são igualmente importantes para que a história fique legal.

ACP:Você também tem outra série, que e ameiiiii. Amigos aguardem porque logo vocês vão conhecer PAGANUS.O que você pode nos falar sobre essa saga? Como foi criada e o que esperarmos dos personagens?

Simone Marques: A saga Paganus tem uma história meio louca, rsrsrs
Eu tive um sonho e quando despertei escrevi tudo o que me lembrava. Quando vi, havia mais de 20 páginas escritas. No sonho havia um símbolo e eu, curiosamente, fui pesquisar para ver se ele existia e fiquei pasma quando descobri que existia sim e era um símbolo forte e que tinha tudo a ver com o que aconteceu no meu sonho. Essa conexão, primeiro me deixou atordoada, depois, inspirou o primeiro livro que escrevi: Triskle (o nome do símbolo que estava no sonho).
A inspiração foi forte, porque em oito meses eu havia escrito os três livros, que eu achava que seria a trilogia Triskle (Triskle, Tribo de Dana e Era de Aquário).
Então, depois do árduo e triste processo de enviar o original para editoras – essa é uma história à parte, com certeza – o Triskle foi aceito por uma editora que iria publicá-lo tradicionalmente. Todo o processo iria demorar alguns meses e eu ainda me perguntava como iria conquistar leitores, já que nunca havia publicado nada antes. Nesse período, meu marido lançou uma ideia: por que você não escreve algo, que não seja diretamente ligado à trilogia, mas que conte algo como, por exemplo, a vida das ancestrais de Sara (a protagonista da trilogia) e não disponibiliza na internet para que conheçam seu jeito de escrever e a divulgar o Triskle?
Aceitei o desafio, claro. Rsrsrs. E então fui pesquisar sobre celtas, escolhi a terra dos meus ancestrais, Portugal e comecei a escrever o livro Gênese Pagã. Eu o escrevi em um mês. E comecei a postar no meu blog, cada semana um capítulo. Divulguei nas comunidades do Orkut e os leitores foram aparecendo e comentando. As pessoas adoraram e eu me surpreendi com o resultado.
Entretanto, nesse tempo, a tal editora saiu do mercado e eu me vi novamente em busca de publicação. Em 2008, procurei uma editora sob demanda, depois do descaso dado pelas editoras grandes, e Gênese Pagã foi o primeiro livro a ser lançado, transformando, o que antes era uma trilogia, em saga.
Venho lutando com minha saga desde então. Gênese Pagã ganhou um novo nome: Paganus, em 2010. E continuo fazendo planos para ela, sempre a pedido dos leitores que nunca deixaram de valorizar meu trabalho e me incentivar.
Por causa deles, a saga ganhou duas etapas, uma histórica e outra contemporânea.
Na etapa histórica estão os livros Paganus, Beltane e Samhain; e na contemporânea ficaram os livros Triskle, Tribo de Dana e Era de Aquário.

Podem esperar personagens verossímeis e com personalidades e objetivos muito diferenciados. Os personagens históricos trazem as marcas de seu contexto social, de crenças e valores do período da inquisição, do Brasil colônia e do século XIX. Na parte contemporânea da saga, os personagens passam por dilemas de nosso cotidiano, como por exemplo, a intolerância e a violência contra a mulher. Muitos de meus leitores se identificaram com personagens e vários me perguntam se são baseados em pessoas reais...

 Simone Marques,  obrigada pelo bate papo. Eu realmente fico encantada em saber como todo esse mundo mágico chega até os livros que nos acompanham em nossos momentos de solidão acompanhada.

Simone Marques: Eu que agradeço à oportunidade de poder falar um pouco mais sobre meu trabalho, meus personagens e suas histórias e de contar um pouco sobre como é esse caminho de pedras e flores, que é do autor nacional contemporâneo.

Na foto, eu no meu momento blogueira, fã e amiga feliz, quando eu conheci a Simone na Bienal em São Paulo no ano passado.



 Gente eu adorei esse bate papo e saber disso tudo. se dependesse de mim, faria infinitas perguntas.
A pessoa está se achando a jornalista, rsrsrsrs.

Se por um acaso ao ler você ficou com vontade de saber mais, deixe sua pergunta nos comentários que repassamos para a Simone e ela responderá.

Namaste!


You may also like

15 comentários:

  1. bacana conhecer um pouco mais dos personagens e do processo de criação de um livro. Eu não daria certo como escritora porque não tenho tanta imaginação pra bolar histórias e protagonistas que despertem atenção rsrsrs
    Uma pena algumas editoras não darem chance a títulos que tenham tão boa recepção junto ao público leitor, por medo de 'arriscar', não é???
    Sucesso a autora ^^
    bjs

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada, Maria Valéria!
      E espero que experimente a história para ver se tudo o que eu disse sobre os personagens é verdade... rsrsrsr

      Beijo!

      Excluir
    2. Oi Val. eu também não daria conta de escrever um livro, apesar de adorar escrever, e ver como um autor consegue ir de um personagem a outro é algo que realmente me fascina. bjs

      Excluir
  2. Obrigada pelo carinho, Eykler!
    E eu adoraria responder a mais perguntas e alongar o bate-papo, com certeza. =)
    Há algumas novidades desde o nosso papo.
    A editora Madras, uma grande e tradicional no mercado literário, vai publicar a série do Agridoce e a série Crônicas do Reino do Portal. Os primeiros livros (Agridoce e O enigma da adormecida) serão relançados ainda esse ano.
    Quanto às outras séries, estou negociando...
    Agradeço de coração sua força de sempre, pois é disso que preciso realmente, mais do que as grandes editoras.
    Autores nacionais precisam que o público leitor realmente queria ler nossos livros e não apenas se simpatizem com eles.
    Precisamos de leitores que experimentem essas histórias e estejam dispostos a colocá-las em pé de igualdade com as estrangeiras... mas ainda estamos longe disso...

    Convencer novos leitores de que seu livro (sem falsa modéstia) é ótimo e não apenas "legalzinho" é um trabalho difícil, mas continuo na luta e, enquanto isso, escrevo e me emociono quando encontro leitores como você, que fazem tudo valer a pena... rsrsrsr

    Beijos e sucesso com esse blog delicioso!! <3

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. olá Simone! 'mi casa és tu casa", kkkkkkk você sabe que seus livros tem um lugar cativo no meu coração, e que eu desejo muito ver todos os seus livrs publicados, porque os leitores nacionais precisam conhecer sua escrita. bjs

      Excluir
  3. Ola!Como assim?eu não conhecia essa serie, gente necessito conhecer Anya e Adele e sempre que o autor diz "fui pesquisar"logo já começo a imaginar os cenários que serão descritos nos livros e em quanto enriquecimento o livro tara para mim. Gostei demais de conhecer um pouco mais sobre a autora e com certeza vou ler esses livros.

    BEIJOSSsss...

    sonhos de leitor

    ResponderExcluir
  4. Oie, tudo bem?
    Adoro esse tipo de post porque sempre acabo conhecendo novos autores e suas obras, e dessa vez não foi diferente. Fiquei impressionada com a quantidade de livros da Simone, ela realmente se dedica a isso, adorei, adorei e adorei! Fiquei me perguntando se eu daria conta e acho que não. Também achei super legal como ela criou o mundo vampiresco de uma de suas séries, foi um diferencial bem bacana a personagem ser portadora desse 'vírus' (bom, foi o que eu entendi que aconteceu, posso estar enganada). Vou pesquisar mais sobres os livros ^^

    Beijos e sucesso!
    Blog Procurei em Sonhos

    ResponderExcluir
  5. uau amada que tudo este post que delicia saber desta serie e todo seu processo criativo e de "vida" amo historias assim envolvendo o mundo mágico com esta pitada de erotismo, sobre a autora eu também amei o fato dela ser assim tão simpática e acessível a nos pobres mortais e lógico fãs de carteirinha, quero muito poder ler estes livros pois todos me pareceram ser envolventes e muito bem desenvolvidos para nós leitores...Eykler amada bjss <3

    ResponderExcluir
  6. Menina, vc esteve na Bienal e eu não te encontrei? como pode?
    A simone é uma fofis, sabe. Vi críticas maravilhosas sobre os livros dela e espero resenha o mais rápido possível.
    http://www.poesianaalma.com.br/

    ResponderExcluir
  7. Menina quantos livros da autora hein, adoro temas com vampiros podem ser bem trabalhados de várias maneiras , sem contar que seduz os leitores. Gostei muito da capa e sinopse de agridoce. beijos e sucesso a autora

    Joyce
    www;livrosencantos.com

    ResponderExcluir
  8. Oi Eykler, tudo bem?

    Para tudo agora. Eu adoro vampiros, podem até ser histórias repetidas, eu nunca me importei, porque gosto deles. Mas a Simone criou algo totalmente diferente quando pensei que nada mais poderia ser inventado. E sabe o que foi perfeito? É que ela não inventou (pelo menos foi o que eu entendi). Ela pegou conceitos nossos, da nossa realidade médica e adaptou para o universo dos vampiros. Uau!!!!!
    Já me ganhou, já me conquistou duplamente!!!!!!!
    Agora, para tudo de novo. Os romances que eu mais gosto são só históricos. E ela tem uma série sobre esse gênero.
    Aonde estava essa autora que eu não conhecia?
    Estou super mega feliz pois ela é da Madras, minha nova editora parceria. Espero poder conhecer logo seu trabalho.
    beijinhos.
    cila.
    http://cantinhoparaleitura.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  9. Parabéns pela entrevista e por mostrar os diferencias nas obras da autora :)
    Não conhecia os livros (quer dizer já tinha visto as capas, mas n sabia sobre o que eram), e me interessei muito por le-los agora
    bjos
    Pah
    Lendo e Escrevendo

    ResponderExcluir
  10. Geeeente, quantos livros, fiquei pasma agora kkk. Infelizmente não conhecia suas obras, mais com certeza ira para minha listinha, e sem contar que eu amei as capas.
    Beijos
    Camila, Leitor Sagaz.

    ResponderExcluir
  11. Oi Lindona!!!!!!!!!!!
    Eu quero o livro Agridoce e o sue gatinho também!!! Me manda ele???!!!
    Amei suas fotos, a entrevista e saber mais sobre essa autora que eu nem conhecia!
    Parabéns pela postagem e logo vou conhecer a escrita da Simone!
    Beijos

    ResponderExcluir
  12. Oi, flor!
    Que adorável a sua entrevista! A autora é uma graça de pessoa… Adorei saber mais sobre ela e seus livros. :D Eu li o primeiro volume de Crônicas do Reino do Portal e adorei! Quero muito ler a continuação da série. Agora que ela se tornou uma autora da Madrass Teen, tenho esperança de comprá-lo. :)
    Eu ainda não li Agridoce, mas suas perguntas e as respostas da autora me encheram de expectativas!

    Beijos!
    http://www.myqueenside.blogspot.com

    ResponderExcluir